Sitraemg questiona TRF6 por tentativa de contratação pelo programa de Residência Jurídica

Compartilhe

O Sitraemg solicitou à Presidência do TRF6 que não realize qualquer procedimento de seleção de prestadores de serviço para atuação como residentes jurídicos no âmbito da 6ª Região da Justiça Federal.

O pedido (veja cópia) foi feito por meio de requerimento administrativo protocolado na segunda-feira, 4 de dezembro.

O sindicato tomou tal medida após ser informado da contratação do Instituto Consuplan, pela administração do Tribunal, para realização do processo seletivo.

No requerimento, o sindicato argumentou que o Conselho da Justiça Federal (CJF) ainda não publicou ato regulamentador da Residência Jurídica para a Justiça Federal, embora já tenha constituído grupo de trabalho com a finalidade de elaborar tal normativo. O Tribunal não pode implementar o programa sem as diretrizes gerais estabelecidas, sob o risco de gerar situações jurídicas contrárias às regras e limitações que serão impostas pelo CJF.

O requerimento do Sitraemg tem respaldo em decisão do próprio CNJ a respeito da aplicação do programa na Justiça do Trabalho.

Ao analisar ato do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) que foi impugnado a pedido de candidato aprovado por esse processo no âmbito do TRT3, o CNJ considerou ser atribuição do Conselho Superior estabelecer as normas gerais acerca do programa. Somente a partir daí os tribunais regionais poderão adotá-lo conforme as peculiaridades locais.

Em novembro de 2022, o CSJT cancelou todos os processos seletivos em andamento ou concluídos pelos TRTs para a admissão de residentes jurídicos ou quaisquer bolsistas de estágio superior em programas similares à residência jurídica, até que sobrevenha norma aprovada pelo Conselho.

O Sitraemg também atuou nos procedimentos do CSJT e do CNJ buscando impedir a implementação do programa no TRT3, haja vista as irregularidades nas contratações de pessoas que nem sequer estejam cursando pós-graduação.

Leia mais:

CNJ suspende o programa de Residência Jurídica do TRT3

Liminar de conselheiro do CNJ determina continuidade do programa de residência jurídica no TRT3

Residência jurídica é apenas mais uma etapa da terceirização no judiciário, alerta desembargador do TRT-15

Residência jurídica e avanço da terceirização serão temas de live com Jorge Luiz Souto Maior

CSJT suspende aplicação da residência jurídica em todos os TRTs

Sitraemg critica programa de residência jurídica debatido por Comitê de Pessoas do TRT3

Assessoria de Comunicação
Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags