CSJT suspende aplicação da residência jurídica em todos os TRTs

Compartilhe

Em sessão realizada nesta sexta-feira, 23 de novembro, o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) decidiu suspender a aplicação do programa de residência jurídica em todos os TRTs.

O plenário acatou a proposta do presidente do Conselho, ministro Lélio Bentes Corrêa, para que o processo que trata da questão fosse retirado de pauta, acatando pedidos formulados pela Fenajufe e sindicatos de sua base, incluindo o Sitraemg.

A suspensão da aplicação do programa vale até que um novo projeto a respeito da questão seja analisado pelo Conselho.

O programa de residência jurídica foi instituído pela Resolução nº 439/2022, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Dessa forma, abriu a brecha para os tribunais contratarem temporariamente bacharéis em Direito que estejam cursando especialização, mestrado, doutorado, ou, ainda, que tenham concluído o curso de graduação há no máximo cinco anos.

De acordo com a decisão do CSJT, estão suspensos todos os processos de residência jurídica em curso.

Também foi determinada a exoneração, em até 30 dias, de todos os servidores que foram contratados pelo programa.

Atuação do Sitraemg surtiu efeito

A decisão do CSJT é uma grande vitória da categoria, em âmbito nacional.

E ocorreu após atuação do Sitraemg, através da assessoria jurídica, ao apresentar denúncia demonstrando irregularidades no programa aprovado pelo TRT3.

Depois do intervalo proporcionado pela retirada do processo de pauta, com o pedido de vista da ministra Dora Maria da Costa, em sessão de 28 de agosto, agora o novo presidente do CSJT acompanhou o voto divergente da conselheira e propôs a suspensão do programa.

A decisão coroa de êxito, especialmente, a luta travada pelo Sitraemg e os servidores da Justiça do Trabalho em Minas Gerais para que impedir que o programa fosse implementado pelo TRT3.

O sindicato protestou contra a medida, argumentando que esse mecanismo de vínculo feria o instituto do concurso público e da administração pública. Além disso caminharia no sentido da precarização do trabalho da justiça trabalhista.

A entidade realizou reuniões com os servidores para dialogar sobre o assunto, e o debateu com a categoria em roda de conversa e atos públicos.

Reuniu-se também com o presidente da Amatra para as entidades unirem forças contra a implantação do programa.

Através da assessoria jurídica, apresentou a denúncia também ao Tribunal de Contas da União (TCU) demonstrando irregularidades no programa aprovado pelo TRT3.

A residência jurídica acabou sendo implantada pelo Tribunal. Concurso público para contratação temporária foi realizado, culminando na aprovação de 114 candidatos.

Agora a administração do TRT3 terá que suspender o programa.

O Sitraemg continuará atento para impedir que o programa seja implantado não só na Justiça do Trabalho, mas também nas Justiça Federal, Eleitoral e Militar.

Atuação do Sitraemg contra a residência jurídica

Assessoria de Comunicação
SITRAEMG

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags