Sitraemg assina nota de apoio ao deputado federal Glauber Braga

Compartilhe

O Sitraemg é um dos signatários do manifesto de solidariedade ao deputado federal Glauber Braga (PSOL/RJ) contra a perseguição que o parlamentar vem sofrendo.

O manifesto (veja aqui) é assinado por diversas entidades sindicais, dos movimentos sociais e de outros segmentos da sociedade civil. E classifica como “absurdo jurídico” e “censura” a atuação do representante do judiciário contra o parlamentar.

“Toda nossa solidariedade e apoio a Glauber contra essa injustiça e, também, à deputada Marina do MST por tamanha violência”, expressam as entidades.

“Exigimos que as liberdades democráticas sejam respeitadas e que essa medida absurda e injusta seja imediatamente revogada pelas instâncias superiores do poder judiciário”, conclui o texto.

“Uma manifestação de aparente destempero e falta de comedimento”, avalia ex-procurador e professor

Glauber Braga virou alvo do juiz Sérgio Louzada, da 2ª Vara Cível de Nova Friburgo (RJ), por ter recorrido da decisão do magistrado de proibir a realização de um ato de solidariedade à deputada estadual Marina do MST (PT), marcado para 27 de agosto. Dias antes, a deputada fluminense havia sido impedida de fazer a prestação de contas da sua atuação parlamentar. Na ocasião, a parlamentar foi agredida forma violenta.

Como Glauber recorreu da decisão, o juiz decidiu aplicar-lhe uma multa de R$ 1 milhão e determinar o bloqueio de suas contas.

Em depoimento à reportagem do portal Brasil de Fato, o ex-procurador do Ministério Público Danilo Morais, professor da pós-graduação em Direito na faculdade Ibmec, em Brasília (DF), afirmou que “o magistrado aplicou sanção única desproporcional de R$ 1 milhão, sem advertência pessoal prévia, numa manifestação de aparente destempero e falta de comedimento”.

O Sitraemg repudia, de forma veemente, atitudes autoritárias de qualquer natureza, de qualquer poder. E ratifica sua solidariedade ao deputado Glauber Braga e à deputada estadual fluminense.

O primeiro, por buscar garantir a realização de um ato convocado com base nas premissas da lei. E a segunda, por ser agredida ao buscar dividir democraticamente com o seu eleitorado os feitos e gastos do seu mandato parlamentar.

O sindicato espera que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) esteja atento aos fatos e providencie a apuração da atuação do juiz de Nova Friburgo.

Assessoria de Comunicação
Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags