Sitraemg articula-se junto a mais um membro do CJF em defesa da Subseção Judiciária de Contagem

Compartilhe

O Sitraemg reuniu-se, na terça-feira, 9 de maio, com o desembargador federal Fernando Braga Damasceno, membro do Conselho da Justiça Federal e presidente do TRF5.

A audiência faz parte de uma série de inciativas do sindicato com integrantes do CJF visando tentar reverter a “extinção” da Subseção Judiciária de Contagem.

A “extinção” da unidade, com a transferência de três varas e mais da metade de seus servidores para Belo Horizonte, foi aprovada pelo Pleno do TRF6 no dia 11 de abril. E está sendo analisada pelo Conselho no processo CJF nº 0001203.64.2023.4.90.8000.

Pelo sindicato, estiveram presentes os coordenadores Lourivaldo Duarte e Helder da Conceição Magalhães Amorim, e a advogada Letícia Kaufmann, da assessoria jurídica. Também participou a filiada Alessandra Rezende Cardoso, servidora da Justiça Federal em Contagem.

O magistrado pediu que os representantes da entidade expusessem os argumentos pela manutenção da Subseção. Ao final, solicitou que a entidade encaminhe o pedido por escrito, com os argumentos e as fundamentações pertinentes, para que ele possa avaliar a matéria.

A advogada Letícia Kaufmann informou que nos próximos dias o sindicato encaminhará um memorial sobre o tema a todos os membros do CJF.

Segundo ela, o processo nº 0001203.64.2023.4.90.8000, que trata do caso, deve ser pautado para a sessão do Conselho de 29 de maio.

Sindicato pede mais tempo para conselheiros conhecerem o processo

A advogada Letícia Kaufmann explicou que a “extinção” da Subseção de Contagem vai de encontro com a Lei 14.226/21, que criou o TRF6. Ela destacou que o quantitativo de cargos, FCs e cargos em comissão é definido por esta Lei, e que eventuais mudanças devem ser definidas por outra lei.

Além disso, a “extinção” desobedece a Resolução 219/2016, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Isso porque não aplica critérios e parâmetros objetivos de proporcionalidade entre os quadros da 1ª e 2ª instâncias no processo de movimentação de servidores.

Ainda segundo a advogada, a proposta do TRF6 não leva em conta vários critérios da Lei 12.011/09 que indicam a necessidade da Justiça Federal em determinada região. “Houve pressa para aprovar (a “extinção” da Subseção de Contagem) sem observar a legislação vigente”, resumiu Letícia Kaufmann.

Ela pediu mais tempo para os membros do CJF conhecerem o processo e todas as suas implicações, antes de votá-lo.

O coordenador geral do Sitraemg Lourivaldo Duarte ressaltou que o TRF6 está tentando resolver seus problemas sem sair em busca do orçamento necessário. “Em vez de correr atrás da criação de novos cargos, recorre à transferência de servidores da primeira instância para suprimento da segunda instância”, disse.

Ele sublinhou que outros tribunais com jurisdições semelhantes ou até inferior à de Minas Gerais possuem orçamento e quadro de servidores bem superiores.

Sobre a “extinção” da Subseção Judiciária de Contagem, avaliou que a medida não vai resolver nenhum dos problemas do Tribunal. “Os processos já distribuídos e as demandas que ainda estão por vir não vão diminuir”, pontuou. “Só vai causar transtornos”, reforçou.

“O que a gente vê é que o TRF6 veio para aproximar a Justiça Federal da população. Mas a ‘extinção” da Subseção Judiciária de Contagem mostra o caminho inverso”, resumiu o coordenador geral.

Prejuízos para os servidores e os jurisdicionados, sobretudo os pobres e idosos

O coordenador Helder Magalhães pediu “sensibilidade” ao desembargador ao analisar a matéria.

Ele lembrou que a Subseção de Contagem foi criada para “desafogar” a Seção Judiciária de Belo Horizonte. E lamentou que o TRF6 decide transferir as varas e grande contingente de servidores da unidade quando sua a população da jurisdição atinge mais que o dobro da época em que começou a funcionar.

Helder alertou que, caso o CJF confirme as mudanças aprovadas pelo TRF6, todos os jurisdicionados da Subseção serão prejudicados. Citou, especialmente, a população mais carente, que encontrará dificuldades para irem até Belo Horizonte.

A servidora Alessandra Rezende Cardoso analisou que a transferência dos servidores de Contagem para Belo Horizonte irá prejudicá-los além do campo profissional.

Para ela, todos gastarão mais tempo no trânsito, além das despesas com o deslocamento e outros custos na capital.

Assessoria de Comunicação
Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags