Delegados de Minas Gerais defendem indicativo de greve por recomposição salarial. Veja o calendário aprovado

Compartilhe

Parte da delegação de Minas Gerais ao XI Congrejufe defendeu que a Fenajufe indicasse o início de uma greve da categoria para 31 de maio.

A avaliação dos (as) delegados (as) é que sem um forte movimento que pressione os tribunais superiores e o governo Bolsonaro não haverá recomposição salarial este ano.

O tema foi debatido pelo XI Congrejufe no sábado (30), no Plano de Lutas, e duas posições foram apresentadas.

A primeira, apresentada pelos grupos ligados à CUT, defendia que os sindicatos voltassem para as suas bases e dialogassem com os (as) servidores (as) para então definirem por uma paralisação nacional. A segunda, apresentada pelo grupo LutaFenajufe, defendia que a Federação indicasse o início da greve para 31 de maio.

30.04 - David Landau, ao microfone, Alexandre Brandt e Alexandre Magnus defendem indicativo de greve para 31 de maio.
30.04 – David Landau, ao microfone, Alexandre Brandt e Alexandre Magnus defendem indicativo de greve para 31 de maio.

A primeira proposta saiu vencedora no plenário. “Essa decisão enfraquece a luta da categoria para a mobilização pela recomposição salarial”, avalia o coordenador do Sitraemg David Landau.

“A greve é o único caminho para conseguirmos a recomposição salarial”, disse, reforçando que os colegas do INSS e do Banco Central já estão paralisados.

Para ele, a aprovação do indicativo de greve pela principal instância da categoria seria importante para que os sindicatos já começassem a mobilizar as suas bases.

“A nossa proposta era que os delegados e delegadas saíssem do Congrejufe com a tarefa de construir a greve em cada estado”, explicou.

David lembra que em 2015 também havia dúvidas sobre o início da mobilização, contudo, a categoria foi a luta e construiu a maior greve da história.

“Gritam fora Bolsonaro, mas não querem greve”
Durante os debates e a votação sobre o indicativo de greve para 31 de maio, os delegados por Minas Gerais Alexandre Magnus e Alexandre Brandt foram à frente do plenário.

Eles chamaram os colegas a votarem pelo indicativo de início de greve em 31 de maio. “Não adianta nada gritar fora Bolsonaro e não se mobilizar efetivamente contra o governo que está arrochando os nossos salários”, disse Alexandre Magnus, coordenador do Sitraemg.

“Em todos os nossos PCS e reposições salariais fizemos greve, então entendo que com o governo Bolsonaro tínhamos obrigação de definir o calendário de greve em nosso Congrejufe. Além disso, temos cada vez menos prazo legal para que consigamos a recomposição este ano. Por isso, a mobilização é urgente”, concluiu.

Veja o calendário de lutas aprovado

09 a 13 de maio – semana de realização de assembleias para deliberação da paralisação do dia 19 e debate sobre o conjunto do processo de mobilização.

12 de maio – dia de caravanas e mobilizações em Brasília, com a participação de colegas do Sinasefe e de estudantes da UBES, que estarão em congresso, nesse dia, na capital federal.

19 de maio – dia de mobilização e paralisações nos estados, incorporando outras reivindicações de segmentos da categoria ou locais.

25 a 29 de maio – nova semana de realização de assembleias para avaliação da mobilização e possibilidade de ingresso em greve.

Assessoria de Comunicação
Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags