Sitraemg repudia fala da deputada Gleise Hoffmann sobre a Justiça Eleitoral

Compartilhe

O Sitraemg manifesta seu repúdio à fala da deputada Gleisi (PT) por questionar a existência da Justiça Eleitoral e a atuação técnica dos servidores do quadro.

A fala aconteceu na quarta-feira, 20 de setembro, na Câmara de Deputados, durante um debate sobre a Proposta de Emenda Constitucional 9, conhecida como PEC da Anistia.

A proposta visa anistiar os partidos políticos das multas aplicadas pela Justiça Eleitoral por descumprimento da cota mínima de recursos em razão de sexo e raça nas eleições de 2022.

Para o Sitraemg, há uma contradição evidente na fala da parlamentar, que é presidente do Partido dos Trabalhadores. Isso porque, o PT tem defendido a existência da Justiça Eleitoral e a sua atuação, especialmente nas últimas eleições.

Em sua posse, o próprio presidente Lula elogiou o trabalho da Justiça Eleitoral, que garantiu a realização e lisura do pleito num cenário hostil, de agressões e ataques por parte da horda bolsonarista.

O sindicato destaca que o trabalho dos servidores e servidoras da Justiça Eleitoral aconteceu em meio à pandemia. Além disso, reforça o profissionalismo de cada servidor (a) e a tecnicidade na qual se fundamentam os seus pareceres e decisões. Sempre baseados na legislação vigente.

A garantia da realização do processo eleitoral, com toda eficiência e lisura que conhecemos, acontece em um país continental e com um quadro de servidores reduzido.

Os sistemáticos ataques ao Judiciário Eleitoral se intensificaram ao longo dos últimos quatro anos, com Bolsonaro, mas começaram ainda em 2014, quando o candidato derrotado Aécio Neves (PSDB-MG) passou a lançar dúvidas sobre a segurança das urnas eletrônicas.

O objetivo em 2014 já era claro: inviabilizar um projeto político legitimamente eleito nas urnas, pela vontade soberana do povo brasileiro. De 2018 em diante, os ataques à Justiça Eleitoral ganharam o contorno golpista, com a evidente intenção de se voltar à época das fraudes.

A fala da deputada Gleisi, infelizmente, se alinha a esse conjunto de ataques à Justiça Eleitoral. Sobretudo porque coloca essa justiça especializada como “cara” e como “uma das poucas do mundo”, sugerindo que ela não devesse existir.

Horas depois, em sua conta do X (antigo twitter), a parlamentar disse que a sua fala pretendia unicamente abrir o debate.

O Sitraemg, assim como outros sindicatos representantes dos (as) servidores (as) do Poder Judiciário Federal, tem algumas sugestões para que o debate efetivamente aconteça na sociedade:

– Ampliação do quadro funcional, para que a Justiça Eleitoral não dependa de servidores requisitados e estados e municípios;

– Respeito à data-base dos servidores públicos;

– Reposição das perdas salariais;

– Magistratura própria;

Esses são temas caros aos servidores e servidoras da Justiça Eleitoral e que deveriam ser encampados pelos parlamentares, com o intuito de valorizar a nossa categoria. Ataques e comentários pejorativos a atuação dos servidores dessa justiça especializada não contribui com a democracia, ao contrário, a afronta.

A coordenação executiva do Sitraemg, 22 de setembro de 2023

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags