Frei Leonardo Boff analisa caso Renan

Compartilhe

A bacia de Pilatos

A nação está perplexa e indignada. Na cara da maioria dos políticos e particularmente dos jornalistas que acompanharam o caso do senador Renan Calheiros e sabiam as manobras escusas que usava a partir de seu cargo de presidente do Senado, para se manter no poder,   se estampava decepção e abatimento. Por um voto não foi condenado. E esse voto faltante ficou revelado. Veio de um senador do PT que votou por abstenção. Abster-se é dizer não à cassação. Provavelmente e há claros sinais de que, pelo  menos outra pessoa, a líder do PT no Senado, ou votou a favor de Renan ou se absteve, facilitando a vitória do acusado.

A propósito de falta de decoro por permitir que um lobista pagasse suas contas pessoais referentes ao filho que tivera com sua amante – isso se chamava antigamente de adultério público – descobriram-se muitas outras irregularidades graves, atestadas pela Polícia Federal e pelo jornalismo investigativo da televisão. Esta foi ao local em Alagoas, documentou em som e cores as mentiras e falsas alegações de Calheiros o que comprovava ainda mais sua falta de decoro. Além do mais mentiu aos senadores e sonegou informações e documentos ao conselho de ética.

Aliados do absolvido falaram em vitória da democracia. Que democracia? Esta convencional no Brasil, encurtada e farsesca,  montada em cima de conchavos, do uso do poder público em benefício próprio, infectada de tráfico de influência e de desvio de dinheiros públicos?

O que envergonha os cidadãos é verem senadores, alguns velhos provectos, sem qualquer dignidade, verdadeiros mafiosos do poder, voltarem as costas à sociedade e fazerem-se cegos e surdos ao clamor das ruas. Estão tão enjaulados em seus privilégios na redoma do senado que nem lhes importa o que a mídia e a opinião pública pensa deles.

Mas o que envergonha mesmo é a recaída de membros do PT. São pecadores públicos contumazes. Já haviam antes enviado a ética nem sequer para o limbo mas diretamente para o inferno. Agora repetiram o ato pecaminoso. Por isso são desprezíveis como Pilatos. Este se acovardou diante do povo e condenou Jesus. Mas antes fez um gesto que passou à história como símbolo da pusilanimidade, da covardia e da falta de caráter. Diante do povo lavou as mãos com água. Essa bacia de Pilatos foi ressuscitada no senado. Mas a água não é água. São lágrimas dos indignados, dos cansados de ver injustiças e dos dilacerados diante da contínua impunidade.

A ” onorabile famiglia Calheiros”  tem novos membros em sua máfia. Todos os que se abstiveram ou votaram pela não cassação, podem acrescentar a seus nomes o sobrenome de Calheiros. Como revelou publicamente seu voto, o senador Aloísio Mercadante merece agora ser chamado de Aloísio Mercadante Calheiros. Pelos votos que andou cabalando pelos corredores, a senadora Ideli Salvatti merece que lhe apodemos de Ideli Salvatti Calheiros. Ela fez a figura inversa da mulher do covarde Pilatos que o advertiu com referência à condenação de Jesus: “não te comprometas com este justo pois sofri muito hoje em sonhos por causa dele”. Ela e outros devem estar sofrendo muito, sim, roídos pela má consciência. Esse sofrimento transparece em seus olhos revirados e em seus rostos desfigurados.

O povo não merece ser representado por espíritos menores, faltos de ética, desavergonhados e esquecidos de que são meros delegados do poder popular. Que mostrem a cara, que falem ao povo, que se expliquem porque, diante de tantas provas dos relatórios da comissão de ética e do clamor das ruas, puderam agir de forma tão traiçoeira.

Leonardo Boff, Teólogo da Teologia da Libertação e professor emérito de ética da UERJ

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags