Data-base é essencial para manter o poder aquisitivo da categoria, diz Luiz Alberto

Compartilhe
24.11.2023 – Luiz Alberto palestra sobre carreira na XXIII Plenária da Fenajufe

A data-base é uma pauta essencial para que os servidores do Poder Judiciário Federal consigam manter o seu poder aquisitivo. É o que avaliou o consultor legislativo Luiz Alberto na sua intervenção no painel Reestruturação das carreiras das servidoras e servidores do PJU e MPU.

O painel aconteceu na tarde de sexta-feira, 24 de novembro, na XXIII Plenária da Fenajufe que acontece em Belém (PA) até domingo, 26 de novembro. O evento começou na quinta-feira (23).

Luiz Alberto traçou um histórico da evolução salarial da categoria, reforçando as perdas salariais havidas entre 2019 e 2023.

O consultor explicou que foram analisados 40 cenários diferentes, buscando dimensionar os problemas e apontar os melhores caminhos para a categoria do Poder Judiciário da União.

Segundo Luiz Alberto, o quadro de pessoal é composto por quase 92 mil servidores ativos, 29 mil aposentados 7 mil pensionistas. Ele explicou que é preciso considerar o número de aposentados quando se pensa a reestruturação da carreira. “Toda vez que se fala em reajuste dos servidores se considera os aposentados, tidos como um ônus”, explicou.

O palestrante pontuou que 59% dos analistas está no final de carreira, ao passo que 64,9% técnicos se encontra nesta etapa da evolução funcional. No caso dos auxiliares, mais e 90% está no final da carreira.

A partir de dados do censo do CNJ, Luiz Alberto explicou que 92,9% dos servidores tem nível superior e 7% tem ou está no mestrado. Além disso, 1,8% da categoria está no doutorado, considerando os inconclusos até os que estão no pós-doutorado.

Outro dado apresentado, considerado preocupante pelo palestrante: quase 70 mil servidores (as) ocupam cargos de confiança, o que resulta numa média de 1,4 servidor (a) ativo (a) por função e cargo de confiança. Os cargos e funções de confiança custam anualmente R$ 2,85 bilhões.

Premissa para a reestruturação

Luiz Alberto afirmou que como paradigma da carreira é importante a busca pela recuperação de perdas e pela equiparação com carreiras do Poder Executivo ou Legislativo:  Receita Federal, Tribunal de Contas da União/Senado/Câmara, Ciclo de Gestão.

Ele pontuou a importância de assegurar a correlação entre as remunerações das carreiras – 85/50 – recuperando a sobreposição de 5 padrões. Igualmente, a importância de assegurar direitos adquiridos ou em fase de aquisição e de se lutar pela paridade.

Regras fiscais

Ao falar das propostas de reestruturação de carreira, Luiz Alberto pontuou o impacto financeiro da proposta de equiparação com outras carreiras.

Segundo explicou, as regras fiscais em vigor impõem severas barreiras para a concessão de reajustes salariais e reestruturações na carreira. De acordo com o palestrante, o arcabouço fiscal define que: caso as metas de resultado primário não sejam atingidas, estará proibida “a reestruturação de carreiras com aumento, concessão de quaisquer reajustes e concursos públicos”.

Para Luiz Alberto, além de lidar com as regras fiscais, a categoria vai entrar na disputa pelo orçamento do Poder Judiciário. “Há muita pressão por parte da magistratura por uma fatia maior do orçamento, como a PEC 10”, disse.

Leia mais

“Sobreposição para resolver o fosso entre técnicos e analistas”, diz Vera Miranda

A conjuntura e as lutas dos servidores é tema do primeiro painel da XXIII Plenária da Fenajufe

Assessoria de Comunicação
Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags