Volta ao trabalho presencial é tema de reunião entre Sitraemg e presidência do TRT-3

Compartilhe

O retorno do atendimento presencial Justiça Trabalhista foi tema de debate entre o Sitraemg e a presidência do TRT-3. O encontro virtual aconteceu na tarde de terça-feira (19).

O Sitraemg reivindicou da presidência do Tribunal algumas medidas que diminuam os riscos de um surto do novo coronavírus nos fóruns e no próprio órgão.

Entre as reivindicações está a instalação de barreiras de acrílico para o atendimento ao público e o fornecimento de máscaras como Equipamento de Proteção Individual e de álcool em gel.

O Sitraemg reivindica, além disso, que alguns servidores não sejam obrigados a retornarem ao trabalho presencial: 1) aqueles que têm comorbidades; 2) os que convivem com pessoas nessas condições; 3) os que ainda não estejam com o ciclo vacinal completo; 4) os que convivem com idosos e com crianças.

Os representantes do sindicato argumentaram que apesar do avanço da vacinação contra a covid-19, pessoas dos grupos de risco são mais suscetíveis à doença. Além disso, as crianças abaixo de 12 anos ainda não estão sendo imunizadas, e infectologistas apontam que o número de casos neste grupo populacional tende a aumentar.

A presidência do TRT-3 argumentou que o retorno é importante pela função social exercida pela Justiça Trabalhista e que ele não está sendo feito de forma acelerada. Segundo a administração, outras atividades sociais estão sendo retomadas, como nas escolas e nas academias.

De acordo com a administração, foram distribuídos face shields a todas as varas e aos oficiais de justiça, bem como aos terceirizados. Além disso, as audiências estão reduzidas a um número mínimo e as instalações são amplas e bem ventiladas.

A preocupação do sindicato, debatida e deliberada em assembleia da categoria, é o risco de vir a ocorrer um surto de covid-19 nas dependências do TRT-3 ou nas varas trabalhistas.

Como não se chegou a um acordo, o sindicato vai realizar mais uma assembleia com a categoria para debater o tema. E como o assunto está em discussão no Conselho Nacional de Justiça, o Sitraemg informará a conselheira que está analisando o tema sobre este impasse.

Transcrições de audiência

Outro tema debatido na reunião foi a sobrecarga de trabalho que os assistentes de juízes estão submetidos desde que passaram a ter que transcrever as audiências.

A administração do TRT-3 reconhece que a transcrição aumenta a demanda de trabalho para estes profissionais. Contudo, segundo foi dito, trata-se de uma realidade que está sendo debatida no Conselho Superior da Justiça Trabalhista (CSJT) e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Portanto, a solução virá dessas instâncias superiores.

Segundo foi informado pela administração, o tema está na pauta da sessão ordinária do CSJT na próxima sexta-feira (22). Parte deste debate envolve um sistema desenvolvido por um juiz trabalhista de Caratinga (MG).

O magistrado estaria ajudando no desenvolvimento de um sistema que possibilita indicar em que parte do arquivo de áudio ou vídeo tal assunto foi abordado, o que agilizaria o trabalho de transcrição.

Para o Sitraemg, o tema é sensível e urgente, uma vez que, neste momento, assistentes de juízes estão adoecendo em razão da intensificação do trabalho por conta das transcrições.

Calculistas

O Sitraemg também apresentou uma demanda dos servidores que atuam como calculistas nas varas da Justiça do Trabalho. A administração já estaria estudando, por meio de uma comissão específica, a reestruturação do segmento.

Em assembleia setorial do Sitraemg, os servidores debateram o tema e decidiram reivindicar a manutenção das unidades centralizadas nos foros das cidades. Em defesa da manutenção do atual modelo, o sindicato argumentou que os calculistas dos foros nas cidades já conhecem bem as realidades locais.

O Sitraemg também defendeu o cumprimento da Resolução 296 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), que mantém a unidade centralizadora de calculistas por cidade/foro. Igualmente, o sindicato defendeu o cumprimento do anexo V da mesma resolução. O anexo estipula um mínimo de calculistas por Vara Trabalhista de acordo com a movimentação processual.

Como o assunto ainda está sendo estudado pela administração, não houve uma resposta por parte do Tribunal.

Participaram da reunião pelo Sitraemg os coordenadores regionais Alexandre Magnus e Helvécio Domingos Moreira, o coordenador executivo David Landau e o coordenador-geral Paulo José da Silva.

Pelo TRT-3: José Murilo de Morais (desembargador, presidente do tribunal), Ana Maria Amorim Rebouças e Maristela Iris da Silva Malheiros (respectivamente corregedora e vice-corregedora do TRT-3) e a servidora Sandra Pimentel Mendes, diretora-geral do tribunal.

Assessoria de Comunicação
Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags