Sitraemg apoia eletricitários em greve por direitos e contra a venda da Cemig

Compartilhe

Os trabalhadores da Cemig estão em greve desde a segunda-feira, dia 20 de novembro. Os eletricitários cobram da direção da empresa uma negociação efetiva para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho, sem a retirada de direitos.

A greve também é para que a Cemig, maior estatal de Minas Gerais, continue sendo empresa pública. Para barrar o plano do governador Romeu Zema de vender a  Companhia, que presta serviço essencial para a população e sempre foi sinônimo de eficiência e lucratividade, os eletricitários mantém a campanha permanente “Cemig: esse “trem” é nosso!”

O coordenador do Sitraemg, David Landau, ressalta a importância do movimento liderado pelos eletricitários. “Privatizar a eletricidade é colocar a vida da população sob o interesse do lucro, e muitas vezes, na mão de delinquentes. A Eletrobrás foi comprada por aqueles que estavam à frente do maior rombo dos últimos tempos, o das Americanas,” afirma.

Landau destaca que são vários os casos no mundo, em que empresas de energia, depois de privatizadas, chantageiam governos a dar benefícios e recursos sob ameaça de deixar a região abrangida por ela nos caos.

“Um exemplo claro das consequências da privatização é o que vemos em São Paulo, onde a empresa italiana (Enel) demitiu 36% dos funcionários para depois deixar a maior cidade da América Latina, e maior polo industrial, sem energia por quatro dias,” cita.

 Intransigência

 Num contexto de assédios, adoecimentos e mortes por acidente de trabalho, os trabalhadores também estão em luta pelo plano de saúde para ativos e aposentados e pela construção de uma política de preservação da vida, saúde e segurança.

A direção do Sindicato dos Eletricitários de Minas Gerais, Sindieletro-MG, explica que, após longas e exaustivas reuniões, a direção da Cemig apresentou uma “contra pauta”  para as entidades sindicais.

O documento da empresa, afirmam os dirigentes, não contempla nenhum dos 46 itens da pauta de reivindicações aprovada pela categoria e nem o que foi debatido em mesa . A direção da empresa não respondeu sequer as cláusulas de saúde e segurança, que têm investimento  simbólico e baixo impacto no orçamento.

(Com informações da Assessoria de Comunicação | Sindieletro/MG)

Leia mais 

Terça-feira (3/10), 17h, tem ato em BH contra a PEC 32 e as privatizações, e pela valorização dos servidores

Assessoria de Comunicação

Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags