Fatorelli: “Em vez de aportar, a Dívida Pública subtrai recursos do orçamento”

Compartilhe

“No Brasil, o endividamento público funciona às avessas, em vez de aportar recursos ao orçamento, ele faz uma contínua subtração de recursos”. A constatação é da coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida Pública, Maria Lúcia Fatorelli, feita na LIVE do Sitraemg, na terça-feira, 27 de junho.

Assista aqui a LIVE

Na LIVE, Fatorelli explicou que a Dívida Pública poderia estar viabilizando o desenvolvimento socioeconômico brasileiro, como acontece em alguns países. “No Japão, a dívida pública é de 200% do PIB, e há um investimento brutal em tecnologia, educação, toda infraestrutura”, exemplificou.

A coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida Pública pontou que no Brasil ocorre algo ainda mais grave do que a subtração de recursos: “Nenhuma despesa orçamentária classificada como investimento foi custeada com recursos da emissão da dívida pública”. E reforçou: “Aqui, não existe nenhuma contrapartida em investimentos públicos”.

 “Sistema da Dívida”

Há alguns anos, Fatorelli tem utilizado o termo “Sistema da Dívida”. É uma forma de diferenciar uma política de endividamento público voltada para o desenvolvimento socioeconômico dessa política praticada no Brasil.

“Temos uma dívida gigante, sem contrapartida, essa dívida absorve recurso público continuamente. Além disso, ela é usada como justificativa para o teto de gastos, arcabouço fiscal, para contrarreformas, para privatizações”, sintetizou.

De acordo com Fatorelli, apesar de o Brasil necessitar de mais investimentos públicos para gerar desenvolvimento socioeconômico, as iniciativas governamentais estão em sentido contrário. “A pauta governamental é a manutenção dos privilégios do ‘Sistema da Dívida’”, disse.

Segundo a palestrante, o arcabouço fiscal serve para continuar privilegiando o “Sistema da Dívida”.  Apesar de admitir que ele traz algumas melhoras em relação ao antigo teto de gastos, ela defendeu que “a única coisa boa do arcabouço fiscal é que ele escancarou para todo mundo o privilégio que o ‘Sistema da Dívida’ tem no Brasil”.

Visitas ilustres

Mediada pelos coordenadores do Sitraemg David Landau e Joana D’arc, a LIVE contou com duas visitas ilustres: o professor uruguaio Ramiro Chimuris, coordenador da Rede de Cátedras Contra a Dívida Pública, e o médico, escritor e ambientalista Apolo Heringer Lisboa.

Assessoria de Comunicação
Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags