Atingidos por barragem na tragédia de Mariana protestam em frente ao TRF6

Compartilhe

Na terça-feira, 26 de setembro, um grupo de moradores atingidos pelo rompimento da barragem de Mariana fizeram um protesto em frente ao TRF6, em Belo Horizonte.

A manifestação foi organizada pelo Movimento de Atingidos por Barragens (MAB) e contou com o apoio de entidades de servidores públicos estaduais.

O ato fez parte de uma série de atividades realizadas pelos atingidos por barragens na luta por reparação. Segundo o site do MAB, nas ações de terça-feira (26) também foi lançada a campanha “Revida Mariana”.

O site informa que o propósito da campanha “é convocar a sociedade a pressionar a justiça brasileira e estrangeira a garantir reparação efetiva e integral aos atingidos e punição aos criminosos”.

O ato em frente ao TRF6 foi precedido de manifestações na Assembleia Legislativa, Ministério Público e Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Ao todo, segundo o MAB, a mobilização reuniu 1.500 atingidos de Minas Gerais e do Espírito Santo.

MAB denuncia privatizações…

O MAB denunciou que a privatização foi uma das responsáveis pela tragédia de Mariana, quando a barragem do Fundão rompeu e despejou 56 milhões de metros cúbicos de rejeitos tóxicos no rio Doce.

Segundo o MAB, “a privatização de uma das maiores estatais brasileiras ceifou a vida de pelo menos 300 pessoas e deixou um rastro de destruição ambiental e devastação social, cujos efeitos ainda serão sentidos por longos anos”.

…sindicatos reforçam denúncias de privatizações em MG

O Sindcefetmg, que representa os docentes do CEFET-MG, participou das atividades na ALMG e denunciou a privatização de empresas mineiras. “Para atender à classe empresarial que o elegeu e sustentou sua campanha, Zema quer, por qualquer meio e forma, vender as empresas estatais Cemig, Copasa, Gasmig e Codemig, entregando a preços irrisórios o patrimônio do povo mineiro”, afirma a entidade em seu site.

Docentes e estudantes da UEMG também protestam em BH

Docentes de 15 unidades diferentes da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) paralisaram as atividades na terça-feira (26) e fizeram uma manifestação em frente à ALMG. Estudantes e membros de movimentos populares também participaram do protesto que denunciou o descaso do governo de Romeu Zema (Novo) com a categoria e com a universidade.

Mais de 150 manifestantes ocuparam a entrada da ALMG para reivindicar o cumprimento do acordo de greve, firmado em 2016, a recomposição salarial dos professores, além da ampliação e fortalecimento da assistência estudantil.

Em nota, a Associação dos Docentes da Universidade do Estado de Minas Gerais (Aduemg), que organizou a manifestação, explicou que o governo estadual se recusa a cumprir o acordo e opera uma ofensiva de precarização da UEMG.

Revida Mariana

Uma das iniciativas por reparação e justiça é o lançamento da campanha de comunicação “Revida Mariana”. “A medida convoca à população brasileira a se somar na luta em busca por justiça para o crime cometido pelas mineradoras Samarco, Vale e BHP Billiton na Bacia do Rio Doce”, informa o site do MAB.

De acordo com o site, o rompimento da barragem de Fundão despejou 56 milhões de metros cúbicos de rejeitos tóxicos no rio Doce. O crime, como é classificada a tragédia pelos atingidos, está prestes a completar 8 anos. “Nessa quase uma década do crime, que segue impune, pouco ou quase nada foi feito pelos atingidos”, informa o site.

Leia mais

Atingidos por barragens realizam série de atos em BH e fazem lançamento presencial da campanha “revida mariana”

Docentes e estudantes da UEMG realizaram manifestação em BH na manhã desta terça (26)

Assessoria de Comunicação
Sitraemg

Compartilhe

Veja também

Pessoas que acessaram este conteúdo também estão vendo

Busca

Notícias por Data

Por Data

Notícias por Categorias

Categorias

Postagens recentes

Nuvem de Tags